quarta-feira, 27 de maio de 2015

Proseando fiado

Leio jornal velho e revista antiga e tudo parece tão atual. Numa viagem ao Uruguai fomos procurar um lugar para o almoço, nos ofereceram comida do dia anterior que era mais rica, com mais sabor, e mais cara também. Barbaridade, a crise está me pegando. Chego a uma conclusão que tudo que é velho tem mais valor. Ainda bem, pois estou mais pra lá do que pra cá. Mas tem coisas novas que tem um sabor melhor. Um bolinho feito na hora não tem comparação.


Esse é o bolo que faz sucesso no momento aqui em casa. Pode fazer essa receita abaixo ou comprar bolo pronto, aqueles que vêm em pacote, também fica muito bom e é mais prático.

Delicia de coco.


Massa do bolo
.
02 ovos
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de azeite
1/2 xícara de leite
2 xícara de farinha.
01 colher de sopa de fermento químico.

Bate os ovos com açúcar e vá colocando os ingredientes por ordem, por fim o fermento químico. Coloque numa fora e asse.

Cobertura de coco
01 pacote de coco ralado 200 gramas
01 xícara de açúcar
03 xícaras de água
Coloque em uma panela e leve ao fogo até formar uma calda grossa. Assim que retirar o bolo do fogo coloque por cima.
 


Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Jantar romantico




Hoje em dia, parece que comer em casa virou uma ótima alternativa. Temos que fazer muitas avaliações para ver se compensa sair, ou não sair de casa para comer. Aqui em nossa cidade sair para comer fora se tornou muito caro. Tem também a falta de segurança que pesa, mas esse problema ainda não chegou por aqui, as coisas andam tranquilas. O que conta muito em nossa decisão é os altos preços cobrados. Se sairmos nós dois para jantar comer uma pizza e tomar uma cerveja é o mesmo valor da churrascada de domingo para a família e aqui temos seis pessoas. Tem mais uma vantagem, pois sobra mais uma refeição para o almoço da segunda-feira. E nada se compara a nossa casa e fazer uma refeição, nos envolve mais e torna o casal mais companheiro. 

Molho de pimenta do Alfredo, corte a pimenta de sua preferencia bem fininha e misture azeite de oliva e sal. Um ótimo acompanhamento para pizza e churrasco.






Pizza caseira.

Receita da massa

3 xícaras de farinha de trigo;
01 colher (café) de sal;
01 pacote de fermento biológico;
02 colheres (sopa) de açúcar;
03 colheres de óleo;
água morna para dar o ponto, amasse e abre a massa com rolo e faça disco de massa, deixe descansar por 20 min e coloque assar por 15 minutos e reserve.

Recheio

Frite 01 cebola cortada em rodelas coloque sal e todos os temperos a seu gosto. Desligue o fogo. Coloque 01 tomate picado, 200 gramas de presunto picado, 100 gramas de queijo picado, tempero verde, junte a cebola frita e coloque 04 colheres de requeijão.  Misture tudo e coloque em cima da massa previamente assada. Coloque mais 300 gramas de queijo por cima, folhas de manjericão e orégano e leve ao forno para terminar de assar.





Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Lareira 01


Da carcaça esperançosa já está saindo uma lareira. A primeira pois a segunda já está no papel. Quero ver lenha pra tanta lareira. Construir hoje em dia é uma tarefa difícil e cara, devido a falta de profissionais e de madeiras tratada no mercado. Esses contratempo encarece tudo pois não há opções. Alfredo para se distrair um pouco começou a trabalhar a madeira e se deu muito bem. De pequenas prateleiras hoje ele se atreve a fazer a parte de madeira do galpão de nossos sonhos. No inicio ele estava a mil, cheio de planos mas teve que acalmar e esperar os profissionais que trabalham com a parte de alvenaria fazer as coisas pesadas. 
















Agora o resto é com ele. Ele tem mil planos para decorar a lareira, mas nos deparamos com a falta de madeiras. Estamos usando madeira de reflorestamento e tratada nesta construção. Vamos fechar de vidro uma boa parte do galpão. Não imaginava que era tão caro o vidro.


Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Um tour pelos cenários de Solidão


Quando vamos para Solidão, esse belo cenário nos dá as boas vindas e também se despede de nós, nos deixando uma vontade louca de retornar o mais breve possível. Essas figueiras me trazem boas lembranças da infância. Todos finais de semana meu pai nos reunia e íamos para praia. E lá ia ele com a ninhada de cinco filhos. No caminho para a praia tinha uma figueira frondosa e sempre cheia de frutos. Para minha tristeza. Eu não gostava dos frutinhos, mas para meu pai era uma alegria nos levar para comer os figuinho. Parávamos a carroça de bois em baixo da figueira e era só levantar o braço e pegar os frutos. Ele ficava numa felicidade comendo aqueles frutos que nos cortava o coração dizer que nós não gostávamos. Então, nós comíamos para agradá-lo. O fruto era bem pequeninho doce demais e tinha um leite que travava a língua. Que fruto ruim. Não sei como ele gostava daquilo.
 
Quando olho para essa imagem me lembro dos apuros que passaram e ainda passam os agricultores, principalmente os lavoureiro de arroz. Eles não tem nenhum incentivo da parte do governo. E os que buscam ajuda como empréstimos bancários não aguentam as altas taxas de juros e acabam quebrando seu negócio.







 








Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Comemorando mais uma vez....




Olá queridos amigos! Com o frio chegando à fome aumenta e as coisas boas nos saltam aos olhos. Louca por doce como sou, não consigo ficar nem uma hora sem comer um açúcar. Essa rosca de polvilho é uma das especialidades de Osório. Essa é doce com açúcar por cima, mas tem para todos os gostos. Salgada, recheada e com leite condensado. Minha sobrinha Flavia é que faz aqui para família. Eu faço somente o bolinho de polvilho que é mais prático. Receita Aqui.

Às vezes tento dar uma incrementada em tudo, como era dia das mães arrumei melhor a mesa. Ando meio desleixada, a correria dos tempo modernos.

Guardanapos presente da minha querida amiga Adriana do blog Decorar e cozinhar.







Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Madrugada campeira



O vento minuano não descansa, no silêncio da madrugada ele passa zunindo e mexendo com o povo que dorme tranquilamente. E para não deixar tudo no marasmo da preguiça, nos atira algumas telhas para mostrar o lindo dia que vem raiando.









Enchendo Os Olhos De Campo - Luiz Marenco


Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz