segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Aproveitando as amoras


Esta fruta é uma delicia. Todo ano carrega um pé de amoreira aqui em casa. O problema é que amadurece muito rápido. Tenho que concorrer com os pássaros e com o tempo para ter alguma frutinhas. Esse ano consegui fazer geleia. O que gosto mesmo e de ferver a fruta com açúcar até dar ponto de calda e colocar por cima do bolo.

Receita da calda de amora
01 bacia de amora;
1/2 kg de açúcar;
Coloque em fogo baixo. Pois ferve e foge da panela que nem leite. Deixei ferver até engrossar um pouco a calda. Reserve
 Receita do bolo
02 ovo
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de azeite
1/2 xícara de leite
2 xícara de farinha.
01 colher de sopa de fermento químico.
Bate os ovos com açúcar e vá colocando os ingrediente por ordem, por fim o fermento químico. Coloque numa forma untada e asse em fogo brando. 
Receita da Nata
500 gramas de nata gelada
5 colheres  de açúcar
coloque num prato e bate com a batedeira até ficar cremoso e firme, não bata demais se não vira manteiga.

 Monte conforme seu gosto. Esse coloquei o bolo inteiro em uma travessa e por cima a calda, nata e as frutas frescas juntamente com as da calda.







Até a próxima se deus quiser...
 Anajá Schmitz

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Chimia de abóbora


Outro dia enquanto me divertia fazendo uma chimia de abóbora, alguém fazia arte em algum lugar aqui perto de nossa casa e acabou colocando fogo na mata. Senti cheiro de queimado mas, pensei que era a chimia no fogão a lenha. Com os fortes ventos o fogo na mata chegou na beira da cerca rapidamente. Que susto! Os vizinhos ficaram apavorados. Todos ligaram oferecendo ajuda. Alguém deve ter ficado mais nervoso e chamou os bombeiros. Quando chegaram os bombeiros já tínhamos dominado o fogo. Peguei um galho verde de uma árvore e fui batendo no fogo e logo se apagou. Depois da batalha com o incêndio voltei para o doce.
Chima de abóbora 

01 abóbora com casa sem sementes;
1 kg de açúcar;
cravo e canela a gosto;
02 xícara de água;

Fiquei com preguiça de tirar a casca, pois sempre corto os dedos. Cortei pedaços grandes tirei o bagaço. Coloquei numa panela com açúcar e 2 xícaras de água e levei ao fogo médio. Demora bastante esse doce, por isso faço sempre em três etapas. Cada dia cozinho um pouco e no último dia se apura um pouco mais para dar o ponto. Quanto ao açúcar vá provando e coloque mais, conforme o gosto de cada um. Ficou muito bom. Estou viciada nesta chimia. Comemos puro com nata ou pode passar no pão ou na bolacha. A casca fica crocante e muito saborosa.









Até a próxima se deus quiser...
 Anajá Schmitz

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Lembranças da infância

Olá! Espero que todos amigos virtuais estejam bem e felizes. Por aqui os dias se arrastam. Trabalho na cidade mas em pensamento estou em nossa chácara cuidando do jardim e fazendo mil arrumações. Os dias estão muito compridos. Não vejo a hora de chegar o horário de verão e ir mais cedo para casa. 
No caminho de casa até o trabalho vamos sempre jogando conversa fora. Hoje lembrei de um fato que me aconteceu quando tinha 12 anos e fui morar na capital. Minha mãe comprou um apartamento para nós num condomínio. Para mim foi uma novidade muito legal, morar entre muitas pessoas. Para quem morava no campo e tinha que caminhar léguas para encontrar um vizinho. 
Conheci naquela época, um rapaz que morava no andar abaixo do nosso apartamento, com  a mãe  e o  irmão.  Uma das tarefas dele aos sábados era lavar a louça e passar aspirador no carpete. Um dia ele fez uma proposta de eu lavar a louça e limpar o carpete. Era nosso segredo. A mãe dele não podia saber. Ele me pagava 5,00.  Até que um dia fomos descoberto. Aí todos me pagavam para fazer seus serviços. ahahah Em minha ingenuidade pensei: é agora que fico rica!
Minhas brincadeiras de criança era arrumar a casa, enfeitando tudo. Minha mãe gostava, mas minha irmã tirava tudo e guardava. Até hoje tenho essa mania de arrumar e encher de bibelôs por todos os lugares.  










Até a próxima se deus quiser...
 Anajá Schmitz





quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Canja

Um dia desses eu e Alfredinho ficamos acamados em casa. Eu com indisposição estomacal e ele com um forte resfriado. A noite fiz uma canja, cansada de passar o dia todo de cama, resolvi incrementar nosso jantar, enfeitando nossa ceia. Uma simples canja tornou-se um jantar especial. Obs. O vinho, presente de amigos de Caxias do Sul, ornamenta a mesa.
















Uma canja dá ânimo, para vencer qualquer enfermidade. No inverno sempre se tem resfriados. Uma boa dica é o chá de limão e mel. 

Chá limão e mel
Em uma xícara coloque o suco de um limão e uma colher de sopa de mel e complete com água quente.  


Receita da canja

1/2 peito de galinha picado
5 batata inglesa picada
1/2 xícara de arroz
sal e azeite;

Modo de fazer
Frite o frango com pouco óleo, coloque as batatas e o arroz e complete com água, para fazer uma sopa com bastante caldo e tempere com sal.

Até a próxima se deus quiser...
 Anajá Schmitz

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Alface na janela


Outro dia comprei umas mudas de alface e couve. Não tinha lugar para plantar coloquei umas mudas no vaso ao lado de nossa loja e as outra numa floreira que tenho. Como cresceram rápido. Deu pena de colher. Fizemos uma saborosa salada.

 



Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Laranjas


Nessa época as frutas rolam. E falta ideias para aproveitar a fartura. Sempre que passava pelas laranjeira me lembrava do mingau de suco de laranja que minha tia Lice fazia. Não gostava, era muito ácido. Mas deu uma saudade. E lembrei também de um bolo que minha irmã fazia. Não sei por que ela colocava o mingau de suco de laranja por cima do creme maravilhoso. Aquilo estragava o gosto. Assim que sair da dieta para combater o colesterol vou fazer e venho compartilhar com vocês.






Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Descobrindo lugares


Eu e Alfredinho há muito tempo, uma vez ao mês, na sexta-feira saímos para conhecer um lugar novo. Este ano temos companhia. Fagundes e Veneza. Eles são ótima companhias. Alto astral total. Nós divertimos muitos em nossas saídas. Mas dona Veneza me logra. Outro dia numa saída. Resolvemos dividir um doce. Pensei que ela comesse pouca doçura pois ela é diabética. Barbaridade! Sobrou pouca coisa. hahahah

Essa Pizzaria é em Tramandaí, cidade cidade de Osório.  

Meu café de domingo.


Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

A lenha chia


Aos finais de semana tenho tempo de fazer fogo e preparar nosso almoço. Nosso botijão de gás de 13 kg dura em media uns 6 meses. É uma baita economia. E lenha tem bastante, nas podas que fazemos, os galhos secos que caem e as pinhas que se amontoam em dias de vento minuano. Se gasta tão pouca lenha para fazer uma comida. Antigamente a vida era mas calma e vivida junto com os filhos e amigos. Se tinha tempo de curtir o chiar da chaleira. As 10 horas da manhã já se começava a fazer o almoço, pois a chapa do fogão estava quente desde as 6 horas das manhã. Meio dia em ponto era servido a farta mesa. E não se gerava lixo. Tudo era aproveitado. As embalagens de papel era usada para fazer o fogo. Os sacos plásticos era usado para guardar mantimentos e ficavam bem vedados. Hoje ao fim do dia me assusto com a quantidade de lixo que produzimos.


Paçoca de carne de porco
Assei um dia anterior uma carne de porco. A gordura e o tempero que sobrou na fôrma deram uma ótima farofa para companhar o feijão . 



Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

terça-feira, 31 de julho de 2018

Olá !!!!!


Olá queridos amigos! Espero que todos estejam bem e tranquilos. Mesmo com a correria dos tempos moderno, a vida continua e pede cancha. Bah!!!  Já estamos na metade do ano.  Os dias frio pede uma caloria amais. Este ano ainda não fiz o famoso mocotó. Quem fez desta vez foi meu filho e ficou muito bom. Segue uma fotos para abrir o apetite.



Uma amostra de minha paixão, café da tarde de domingo.


Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz


sexta-feira, 13 de julho de 2018

Cebola



Quando voltávamos de nosso acampamento esse ano, passamos em São José do Norte /RS para comprar cebola. Tavares e Mostardas são também municípios que também plantam cebola. Meu pai foi um que plantou cebolas a vida toda. Ver esse galpão com o varal cheio de cebola em molhos me fez voltar ao tempo de infância. E que cheiro maravilhoso exala dessa palha seca. Trouxe uma réstia de cebola para enfeitar a casa.

 










Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz