segunda-feira, 24 de abril de 2017

A era da Solidão

Ontem assistimos um programa sobre solidão, não é a minha cidade Solidão, pois lá reina alegria e grandes amizades. Era sobre estar só. Os velhos morando sozinho. Sem família e sem amigos. E com isso  lembrei minha mãe. Algumas tardes do mês,  ela fazia a ronda pela vizinhança. Visitava uma amiga ou um parente e junto sempre levava algum presentinho. Naquele tempo os presentes era uma cozinhada de feijão, uma  linguiça feita na ultima matança do porco ou alguma coisa que nós produzíamos em casa. Lá ficavam, tomando chimarrão e colocando o papo em dia. Em toda casa tinha coisas gostosas para receber as visitas. Para nós crianças, era uma festa, poder comer doces e brincar a vontade. Eu não visito ninguém. É uma vergonha, nunca tenho tempo. Com isso agente não cria laços afetivos para uma velhice com muitos amigos. Outro dia, uma vizinha reclamou com Alfredo que eu nunca tinha ido na casa deles, nestes 20 anos que moramos aqui. Me enchi de coragem e lá fui. Tenho vergonha de chegar assim na casa dos outros. Foi tão legal! Conheci a casa deles e voltei cheia de mudas de chá e flores. Na outra semana a vizinha foi lá em casa pagar a visita e assim começa meu projeto. 












Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Arandela


Olhem o que Alfredo inventou das sobras de madeiras quando construímos nosso galpão. Esse guri arquiteta cada coisa linda. Me apaixonei! Ele é o rapaz da iluminação. Como gosta de luz. Aqui cada cantinho um invenção diferente para iluminar nossa casa.







Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz


segunda-feira, 10 de abril de 2017

Bancada nova


Olá! Espero que todos estejam bem e felizes neste início de semana! Aqui seguimos em nossa rotina, sempre arrumando alguma coisa. Adoro nossa morada, mas já estamos com projetos de alçar novos voos. Quem mora em casa sabe que tem continuamente algo para ajeitar. Tudo envelhece e precisa de reparos. O balcão antigo foi tomado pelos cupins. Alfredo fez este com restos de madeira da construção da loja que ele pertence. Me assusto quando vejo tudo amostra. Sinto falta das portas. Entretanto, prateleiras é um jeito econômico de organizar. 











Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Rosca Turca

Olá povo! Assim diz minha amiga Vera, da campanha. Com o frio se aprochegando, a maledita fome aumenta e tenho que estar sempre roendo alguma coisa. Essa rosca é uma delícia! Encontrei a receita no blog da amiga Bia Chá Mate com Pinhão  e nunca mais parei de fazer. E dá para guardar por um bom tempo, mas aqui não sobra uma para enfeitar o pote. 
E assim fica a receita que faço. Modifiquei um pouco. Cada vez faço diferente, ando esquecida e as vezes troco alguma coisa.

01 peça de ricota;
02 xícaras de farinha de trigo;
01 ovo e 01 gema;
02 colheres de sopa de margarina;
01 clara para pincelar;
01 colher café de fermento químico.

Amasse com um garfo a ricota até esfarelar bem, e coloque o resto dos ingredientes, amasse e faça as roscas. Quando o tempo sobra uso o fermento biológico.  A rosca fica com outro sabor.




Bolinho para adoçar a vida. Receita Aqui.



Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

quarta-feira, 29 de março de 2017

Proseando



A pior coisa que fiz, foi arrumar esta casinha para o meu filho. Isso afastou muito ele de nós. Agora não dá para reverter. Tentei deixar o lugar confortável e bonito para ele ter um espaço para desfrutar com os amigos. Nunca pensei o que isso causaria. Ele se tornou muito solitário. Mas Aila sente e está sempre por perto.









 Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

quinta-feira, 23 de março de 2017

Galpão enfeitado com cortinas

Nosso galpão já está quase virando nossa casa principal. É nosso lugar preferido para passar o fim de semana. Tudo que sobra em casa, na casa de amigos e da família vem pra cá. Já está ficando entulhado de coisas. Mas não consigo jogar nada fora. A sala já está com cortinas novas. Modelo aqui. 






Inventei uma cortina enfeitada de luzes de natal.



Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 20 de março de 2017

Encerrando a praia


A tardinha quando o calor ficava mais ameno, fazia um fiambre para acompanhar o chimarrão e lá nos íamos, eu  e Alfredo, pescar. Ao cair da tarde era a hora que mais pegávamos peixe. Esse ano foi muito bom para pesca e para alegria do Alfredinho.







Essa papa terra escapou da linha, mas Alfredo conseguiu pegar novamente.



A casinha da praia está decaindo. Alfredo não sabe se reforma a velha ou faz uma nova. Todo ano ele preparava uma poção mágica contra os cupins. Ele fazia uma mistura com óleo diesel, naftalina e algum inseticida forte vendido no mercado. E aplicava em toda casa.  Porém perdeu a guerra contra os cupins.









Carnaval de Solidão está afamado. A figura principal de Solidão é o Manequinha, conhecido com barro velho. Ele faz o show nos bailes do CTG do Joãozinho.








Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz