terça-feira, 5 de agosto de 2014

Mocotó gaudério


O mocotó (palavra originária do termo tupi-guarani m’bo-coto ou mão-de-vaca). É um dos pratos mais apreciados pelo povo gaúcho além de ser muito nutritivo. Nosso frio rigoroso pede uma alimentação mais rica em calóricas. Dizem que este prato nasceu na mesa dos escravos. Em nosso estado, Rio Grande do Sul, naquela época, era grande criador de gado, e, por esse motivo, tinha por aqui grandes abatedores para produzir o charque. As partes nobres eram separadas e destinadas ao preparo do charque (carne seca, ou carne salgada) bem como, àquelas destinadas às mesas dos senhores. O restante das partes “não nobres” e desossadas do animal, como as patas, bucho e tripa, por exemplo, eram descartadas. Assim, os escravos utilizavam estas partes para seu sustento e complemento alimentar, fazendo uma espécie de fervido com água e sal. Contam as lendas que esse aroma peculiar se espalhava pela fazenda, chegando a casa grande e atiçando aos senhores o desejo de experimentar aquele fervido. Quando se olha para o mocotó, tem-se a impressão de ser um simples caldo, mas quando se prova, o sabor é indescritível. É impressionante como um caldo de aparência tão simples possa ser tão saboroso. Essa é uma versão popular da origem do mocotó.
Esse prato costuma ser muito esperado quando o inverno se aproximava aqui no sul do país. Não sei o por que de nós comermos mocotó somente uma vez por ano. No início do inverno, meu pai matava uma vaca e fazia charque de toda carne para passar a estação fria. Tudo tinha que ser salgado, pois naquela época em nossa região não tínhamos luz elétrica. E a única geladeira que tínhamos era a querosene. Meu pai só ligava ela em certos momentos e para conservar poucos alimentos, pois a “querosena”, dizia ele, era artigo de luxo. Toda a família se envolvia e ajudava na carneação. Separar a carne e limpar os miúdos para mais tarde salgar. E o mais terrível de todos os trabalhos, limpar o “bucho” da vaca e as tripas para fazer o famoso mocotó. E vocês sabem para quem sobrava essa tarefa? Para os mais novos e as mulheres, é claro. E eu, estava sempre no meio. Essa limpeza consistia em raspar o mondongo “bucho” a tripa grossa e a tripa fina. A tripa fina era usada para fazer a linguiça. Bem, esse assunto merece, e mais tarde, farei um post.

Mocotó
02 patas de boi;
1kg de bucho;
1kg de linguiça;
500 gramas de feijão branco;
cebola, alho, pimentão, tomate e sal a gosto.
Esse prato fiz em 3 dias. Primeiro dia cozinhei a pata e tirei os ossos. Depois coloquei numa panela e congelei. No outro dia, cozinhei o bucho, lavei e cortei em tirinhas. No terceiro dia cozinhei o feijão branco. No dia que íamos servir, fritei a linguiça e fiz um molho e misturei tudo. Deixei ferver por um tempo e servi.
Patas de vaca





Bucho


O restante do processo esqueci de fotografar.



















Essa é uma torta de limão que minha sobrinha trouxe para enriquecer nosso almoço. Brinquei com ela que estava muito boa para ter sido ela que tenha feito. Eu acho que ela comprou. Nunca vi essa guria fazer essas coisas. Hahaha...  Essa é minha sobrinha e companheira Flavia. Eu era criança quando ela nasceu. Eu queria sair para brincar com minhas amigas e ela sempre correndo atrás de mim. Tinha que fugir e quando eu estava quase chegando na casa da Laura minha querida e inseparável amiga de infância, olhava para traz e lá vinha ela, correndo pelo campo. Fugia da mãe e me seguia. Tinha que voltar para levar ela pra casa. Assim passei minha infância, tendo que levar na garupa a Flavinha. 


Torta de limão

Massa:- 2 xícaras (chá) de farinha de trigo;
- 4 colheres (sopa) de gordura vegetal ou manteiga;
- 1/2 lata de creme de leite;
- 1 pitada de sal;
- 1 colher (chá) de fermento em pó.

Recheio:
- 1 lata de leite condensado;
- 5 colheres de suco de limão;
- 1/2 lata de creme de leite;
- 1 colher (sopa) de raspas de limão.

Cobertura:
- 2 claras;
- 4 colheres (sopa) de açúcar;
- açúcar para polvilhar.

- Modo de preparo:

Massa:
Peneire a farinha, faça uma cova no centro e coloque a gordura vegetal, o creme de leite, o sal eo fermento. Misture-os comas pontas dos dedos, juntando a farinha até que seja toda incorporada à massa e que solte completamente das mãos. Deixe descansar por cerca de 30 minutos na geladeira. Abra a massa, forre uma forma de aro removível (25cm de diâmetro), fure o fundo com um garfo e asse em forno quente (220ºC), por cerca de 20 minutos. Enquanto isso, prepare o recheio e a cobertura.

Recheio:
Misture bem o leite condensado com o suco de limão até que adquira consistência de creme. Incorpore o creme de leite e as raspas de limão.

Cobertura:
Bata as claras em neve, junte aos poucos o açúcar e continue batendo até obter um merengue bem firme. Recheie a torta com o creme de limão, cubra-o com o merengue, polvilhe açúcar e volte-a ao forno fraco (150ºC), por cerca de 10 minutos, apenas para dourar o suspiro. Deixe esfriar antes de servir.







Até a próxima se Deus quiser...

 Anajá Schmitz

29 comentários:

  1. Hola por allá! Espero que te encuentres pura vida!
    Que fotos más lindas, sin duda se la pasaron muy bien.
    Saludos desde Costa Rica

    ResponderExcluir
  2. Eita refeição completa!!
    por aqui se faz pirão com o caldo ou cozinha no feijão, é bem forte!!
    E essa tortinha, amo!!
    bjs e boa semana!!

    ResponderExcluir
  3. Todo parece riquísimo y la mesa preciosa,seguro pasaron un rato muy agradable.
    Besos de las dos

    ResponderExcluir
  4. Amiga Anajá, não sou assim um apreciador de mocotó, mas admiro o função da confecção do mesmo e o ritual à mesa na degustação. Gosto muito, muito do carreteiro, do churrasco, então, nem se fala, uma maravilha.
    Parabéns, deste uma aula sobre o mocotó. Um abração. Tenhas uma linda terça-feira.

    ResponderExcluir
  5. Que bom. Gostei de tudo, mas especialmente do bom ambiente que reinou ao redor da mesa, bem apetrechada, elegantemente vestida, para o fim a que está dedicada, comer, e bem: excelente!
    Tudo com um aspecto fantástico, mas a torta de limão tem de estar de comer e chorar por mais.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  6. Que delícias de receitas e uma prosa muito boa, com direito a recordações de infância e tudo!
    Adoro vir aqui te visitar!!!
    Beijos, tenha uma linda semana.

    ResponderExcluir
  7. Oi amiga, vc acredita que eu não como mocotó? kkkk
    Eu nem sei pq, mas não como. Vendo o teu servido assim delicioso, acho que vou mudar de opinião...
    Fiz um carreteiro ontem, já viu?
    Bjsssss

    ResponderExcluir
  8. Olá Anajá: tão bom e enriquecedor conhecer estas tradições e costumes! Imagino o cheirinho deste caldo!! Maravilha.
    Bjn
    Márcia

    ResponderExcluir
  9. ¿Cuánto duraron estas delicias en los platos? Seguro tus comensales las devoraron en pocos segundos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Anajá,
    eu adoro este prato com mocotó, a minha mãe sempre fazia... que saudades, eu quase nunca faço porque os meus filhos não gostam nem do cheiro do bucho e mocotó rsrs!
    Boa semana, bjs!

    ResponderExcluir
  11. Oi amiga, claro que o teu carreteiro deve ser melhor que o meu né?
    Eu acho que um dia ainda como um mocotó sim kkkk
    Bjsssssss

    ResponderExcluir
  12. amiga que coisa mas boa de tudo...
    estar com voces é sempre bom
    beijocas,sejamos gentil
    DEUS ABENÇOE GRANDE FAMILIA.

    ResponderExcluir
  13. Hummm, vontade de tá ai comendo essa comidinha deliciosa...

    ResponderExcluir
  14. Nossaaaaa!!
    Isso é muito forte mais deve alimentar muito bem
    adorei ver uma receita tão linda e deliciosa .
    Um abraço carinhoso.
    Evanir

    ResponderExcluir
  15. Anajá querida,
    Que mesa maravilhosa!Minha mãe faz muito´pois meu marido é apaixonado por dobradinha é
    que é seu bucho.Experimente ,depois de pronto colocar creme de leite( sem feijão) com
    arroz e bastante cheiro verde,é tudo de bom,ainda mais com com esta bela torta de limão
    amo!Amiga,apaixonei com os seus pratos,belíssimos!
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  16. Deve ser muito pesado, muito calórico.
    Não faz o meu género.

    ResponderExcluir
  17. HOLA GUAPA!!!
    Por pura casualidad el sábado noche tomé pastel de limón preparado por mi hija; y ayer comí lo mismo que vosotros pero preparado con salsa de tomate y especias. Necesitaba algo nutritivo que me diera fuerza para resistir el calor que hace en España, y creo que lo logré porque hoy me he levantado muy potente, jaja.
    GRACIAS AMIGA, la próxima vez la prepararé a tu estilo.
    Un abrazo :)))
    Conxita

    ResponderExcluir
  18. Que pratos mais lindos! São pintados a mão? Apaixonei....

    ResponderExcluir
  19. Linda Inajá! eu amoooooooooooo mocotó, saudade! já faz uns 3 invernos que não como, mas vou procurar aqui em Santa Maria! como não sou nenhuma cozinheira de mão cheia, sou obrigada a comprar pronto. Outro prato de inverno gostoso é o mondongo lembra? esse eu sei fazer! abreijosssssssss

    ResponderExcluir
  20. Hola Ansja querida !! Un lindo momento esa receta se ve muy contundente es con leche condensada

    ResponderExcluir
  21. Oi Anajá,
    Seja bem vinda, obrigada pela visitinha fiquei super feliz!
    Amo mocotó, minha vó fazia um de babar, um pouco diferente, vou procurar a receita depois eu posto. Um dia abençoado pra ti.bjs

    ResponderExcluir
  22. Adoooro ouvir essas históricas idílicas... me transporto, sonho... me faz bem.
    Nunca vivenciei nada disso.
    Carneação é palavra nova pra mim. Gostei da descrição do processo.
    Imagino o quão gostoso é esse caldo no inverno. Aqui o povo come o ano inteiro. E com esse calor da peste rs
    Se um dia eu for na tua casa, quero cozinhar nesse fogão. Que delícia!
    A mesa posta, arrumadinha caprichadamente, é um convite, viu.

    bjs

    ResponderExcluir
  23. Belas receitas...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  24. Oi anajá, é a Vi, esse prato aqui em SP, é conhecido como dobradinha e comemos com polenta, é uma delicia, fiquei salivando ao ver a foto.
    Minha mãe fazia mocotó doce, delicia.
    Bom fim de semana,beijos,Vi

    ResponderExcluir
  25. Gente, quanto requinte... e que mesa linda e deliciosa..

    ResponderExcluir
  26. Adorei a decoração da casa... lindo demais.
    Me interessei bastante por essa tortinha de limão...
    Beijos, Nath

    ResponderExcluir
  27. Querida Anajá
    Obrigada por nos enriquecer,contando tradições da sua região.
    Aqui havia o hábito de rechear o bucho com puré.Cheguei a comer e era muito bom!
    Agradeço a partilha das 2 receitas.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  28. Tia querida, viu só como tua sobrinha é prendada. kkk
    E foi eu q fiz a torta de limão, estou medonha na cozinha...
    da próxima vez vou levar um doce com abacaxi maravilhoso q fiz
    esses dias. bjos

    ResponderExcluir

Obrigada pela carinhosa visita. Tenha um ótimo dia.